Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês que são espirituais deverão restaurá-lo com mansidão. Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado. (Gálatas 6:1)

Nosso desejo deveria ser sempre o de restaurar e não o de condenar uma pessoa que esteja em pecado. Gálatas 6:1 o diz perfeitamente: "Irmãos, se alguém for surpreendido em algum pecado, vocês que são espirituais deverão restaurá-lo com mansidão. Cuide-se, porém, cada um para que também não seja tentado."

A expressão "surpreendido em algum pecado" implica que não tenha sido premeditado. Não é a figura de alguém que tenha ido intencionalmente pecar. Fala de gente que tropeçou, que escorregou, que caiu. Não fez de propósito; mas, mesmo assim, tem responsabilidade sobre o fato. Alguém que ficou preso no pecado. Não devemos alegrar-nos com isso, mas sim querer ajudar e restaurar tais pessoas.

Primeiro temos de ajudá-los a cair em si, pois não podemos restaurar quem não queira restauração. Antes temos de ajudá-los a perceber que têm pecado, para somente então ajudá-los a endireitar. Na verdade, a palavra usada para "restaurar" carrega o significado de alinhar um osso fraturado ou de pôr no lugar um membro deslocado. Isso se faz com muito jeito, para não machucar ainda mais.

Efésios 4:14-15 nos diz: "O propósito é que não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro. Antes, seguindo a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é a cabeça, Cristo". Às vezes dizemos a verdade, mas não em amor. Nossa informação está certa, mas agimos com mão brusca, pesada. Outras vezes amamos, mas sem dizer a verdade.

Diga a verdade em amor. Restaure a pessoa com gentileza. Nosso objetivo é restaurar, não condenar.
Reviewed by Pastor Ivo Costa on junho 14, 2018 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.